Trombose e Trombofilia

Segundo os dados divulgados pelo ISTH (International Society on Thrombosis and Haemostasis), a trombose é responsável pela morte de uma em cada quatro pessoas no mundo.

No Brasil, o SUS apontou que entre 2008 e 2010 foram internadas 85,772 pacientes com trombose. Os dados também mostraram que 2,38% das mortes foram causadas pela trombose.

Por isso, precisamos alertar sobre os sintomas e falar mais sobre esse tema.

O que é trombose?

A trombose consiste na formação ou desenvolvimento de um coágulo sanguíneo, o que chamamos de trombo. Aparece, frequentemente, nas veias das pernas e coxas. E  é responsável por causar uma inflamação na parede do vaso.

O trombo, formado no interior das veias intra-musculares, caracteriza-se por trombose do tipo venosa profunda (TVP). Estes coágulos podem se deslocar e migrar até os pulmões e ocasionar a embolia pulmonar (TEP), provocando um alto risco de morte.

Sintomas

Alguns dos sintomas comuns da trombose são:

– Dores e da rigidez na musculatura;

– Inchaço na perna, com sensação de queimação na região afetada;

– Mudanças na cor da pele, podendo variar de uma cor avermelhada a um pouco azulada, arroxeada.

Causas

Obesidade, hospitalizações prolongadas, idade avançada, tabagismo, sedentarismo, uso de anticoncepcionais, cirurgias, histórico de câncer, gestação, colesterol elevado e consumo de álcool são alguns dos fatores de risco para o desenvolvimento da trombose.

A predisposição genética também faz parte dos fatores de risco. É de extrema importância realizar exames de avaliação sanguínea, quando há alguém da família que tem ou já teve trombose.

Chamamos de trombofilia os casos em que são diagnosticados a predisposição da formação de trombos no sangue.

As trombofilias podem ser divididas em hereditárias ou adquiridas. As do tipo adquiridas são representadas pela parte imunológica e têm relação ao estilo ou fases da vida em que a pessoa se encontra – como gravidez, puerpério, idade avançada e uso de quimioterápicos.

Prevenção e Tratamento

Uma maneira de se prevenir da trombose e trombofilia é estabelecer uma rotina de controle de glicemia, colesterol e check-ups nos pacientes que apresentem fatores de risco de desenvolver a doença.

O tratamento tradicional tem o objetivo de evitar a progressão do trombo pela corrente sanguínea e pode ser realizado com terapêutica clínica a base de medicações anticoagulantes (antitrombóticas), meias de compressão elástica e, eventualmente, fibrinólise (procedimentos médicos para desfazer o coágulo com drogas específicas). O tratamento na fase aguda é muito importante e ajuda a evitar sequelas no futuro.